Home / Destaques / Jornalista crateuense morre aos 78 anos no Distrito Federal
O jornalista lutava contra a esclerose lateral amiotrófica (ELA) e estava internado havia 23 dias (foto: Júlio Fernandes/CB/D.A Press)

Jornalista crateuense morre aos 78 anos no Distrito Federal

O jornalista e ex-presidente da extinta Radiobrás Antônio Martins de Vasconcelos morreu na tarde desta terça-feira (28/1), aos 78 anos. Há dois anos, ele lutava contra a esclerose lateral amiotrófica (ELA), uma doença degenerativa.

Martins estava internado havia 23 dias e, após, ser liberado para o tratamento em casa, teve uma piora e apresentou um quadro de pneumonia que o levou de volta ao Hospital DF Star. Por volta de 16h30, o jornalista teve uma insuficiência respiratória que culminou em uma parada cardíaca. 

Antônio Martins era da cidade de Crateús, no oeste cearense. Em Recife (PE), foi seminarista, mas decidiu deixar de lado a carreira religiosa para aprofundar os estudos em jornalismo. Ainda no Nordeste, foi secretário de Comunicação do estado de Pernambuco.

Durante o regime militar, o jornalista foi colunista do jornal O Globo, onde trabalhou com o atual secretário de Cultura do DF, Bartolomeu Rodrigues. Antes de vir a Brasília, o cearense também assumiu uma coluna no Jornal do Brasil. No rádio, Martins se destacou por presidir, entre os anos de 1987 e 1990, a antiga Radiobrás, hoje parte da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

De acordo com o secretário de Cultura, o amigo deixa um legado importante para a sua geração de jornalistas. “Ele foi uma figura importantíssima durante o governo Sarney, e para a história do rádio. Foi meu chefe no jornal O Globo e, quando estive no jornal O Estado de S. Paulo, me orgulhava por saber que ele havia emoldurado um artigo meu sobre a importância do rádio na comunicação. Minha geração de jornalistas está de luto”, afirmou Bartolomeu Rodrigues. 

Paulo Fona, amigo e ex-secretário de Comunicação dos governos Joaquim Roriz, Rodrigo Rollemberg e Yeda Crusius (RS), também lastimou a perda: “Martins era uma pessoa especial. Com seu jeito tranquilo e sensível, tinha a incrível capacidade de ouvir e de analisar a realidade política de maneira rápida e consistente. Vai deixar muita saudade”. 

Outros jornalistas exaltaram o amigo e colega de profissão. “Antônio Martins, além de ter sido um amigo e irmão foi, acima de tudo, meu mestre. Ele me orientou a caminhar pela estrada vida”, disse Ana Tavares. “Martins foi exemplo pra mim. Alguém que me abriu portas e, principalmente, indicou caminhos certos”, acrescentou Paulo Félix.Continua depois da publicidade

Para o filho e sócio da produtora de rádio Som&Letras, fundada por Antônio Martins, Heder Martins, a partida do pai vai deixar saudades. “Ele foi um homem único para a comunicação, para o rádio e para a família”, pontuou. 

O jornalista deixa cinco filhos. De acordo com a família, o velório está marcado para esta quarta-feira (29/1), a partir de 11h30, na capela especial do Cemitério Campo da Esperança. O sepultamento deve ocorrer às 15h. 

Antonio Martins era filho do senhor Raimundo Cizil, natural de Novo Oriente, irmão de Nivando Martins, que residente na localidade de Mãe de Deus, zona rural do município.

Nathan Loiola, com Correio Braziliense

Comentários
error: USE OS BOTÕES DE COMPARTILHAMENTO